image-001O empresário de futebol do goleiro Bruno Fernandes é suspeito de matar o próprio enteado, de 20 anos, a tiros na tarde desta quinta-feira (18) durante uma briga no imóvel da família em Matozinhos, cidade localizada na região Central do Estado. O suspeito fugiu após o crime e ainda não foi encontrado.

A Polícia Militar (PM) foi acionada por vizinhos que escutaram a confusão. No imóvel da rua Doze, no bairro São Paulo, os militares foram informados que a vítima estava brigando com a mãe, quando o padrasto resolver intervir.

Em determinado momento, os ânimos se exaltaram e o suspeito identificado como L.M.M.R, de 44 anos, atirou contra a vítima, atingida do lado esquerdo da clavícula. A bala saiu pelas costelas da vítima, que morreu na hora.

O suspeito fugiu após o crime e ainda não foi localizado. Um rastreamento é feito para tentar encontrar o suspeito.

Aos militares, a mulher alegou que o companheiro agiu em legítima defesa, já que o filho teria problemas com drogas e estava ameaçando a ela e ao padrasto. O jovem já tinha passagem pela polícia por tráfico, segundo informou a PM.

Arma do crime – A perícia constatou que a bala que atingiu o jovem era de calibre 38, contudo o revólver não foi encontrado.

Investigação – A Polícia Civil já abriu um inquérito para investigar o caso e ouviu durante à tarde desta quinta a mãe da vítima e outra testemunha do crime. Porém, o teor dos depoimentos não serão divulgados.

A perícia aguarda também o resultado da perícia técnica que deve ficar pronto em até 30 dias para auxiliar na apuração dos fatos.

Carreira – Como empresário de futebol, L.M.M.R ajudou o goleiro Bruno Fernandes a fechar contrato com o Boa Esporte em março deste ano. Além de se envolver no mundo desportivo, o empresário também tentou carreira na política, se candidatando a uma cadeira de vereador na Câmara Municipal de Matozinhos, porém, com 431 votos, ele não conseguiu se eleger ao cargo.

Defesa. A reportagem tentou contato com os advogados do empresário e do goleiro Bruno Fernandes mas não conseguiu localizá-los.

Caso Bruno – Preso na penitenciária de Varginha, no Sul de Minas, desde a noite do dia 28 de abril, o goleiro Bruno Fernandes pode ir para a prisão domiciliar, o que possibilitaria a ele voltar a jogar pelo Boa Esporte ainda neste mês. O pedido de progressão de regime foi feito nesta semana pela defesa do jogador e será avaliado pelo juiz Oilson Hoffman, da 1ª Vara Criminal do município.

Preso em 2010 e condenado pela Justiça em 2013 a 22 anos e três meses de prisão pela morte de Eliza Samúdio, Bruno deixou a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, no dia 24 de fevereiro deste ano depois de receber um habeas corpus concedido pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Entretanto, Bruno foi preso novamente no dia 27 de abril depois de ser comunicado sobre a decisão do STF de revogar sua liberdade enquanto espera pelo julgamento de seus recursos na Justiça. (Por Camila Kifer)