A estreia do Brasil nos Jogos Rio 2016 foi com vitória e “à moda da casa”: com uma bonita festa no Estádio Olímpico. Nesta quarta-feira (03.08), a seleção feminina de futebol venceu a China por 3 a 0, retribuindo o carinho dos torcedores presentes no Engenhão.

Os gols foram de Mônica, no primeiro tempo, e de Andressa Alves e Cristiane, na etapa final. Marta brindou a torcida com belas jogadas no segundo tempo.

“Fiquei muito feliz em poder trazer esta emoção para a minha família, para o público e para o grupo, e poder deixar a equipe tranquila para continuar o jogo, a gente esperou muito este momento”, disse Mônica, a zagueira autora do primeiro gol.

“Foi muito bacana, ajudou bastante principalmente a sair coma vitória, e importante pra mim também, para seguir bem na competição”, acrescentou Cristiane, que ao marcar o terceiro gol do jogo somou 13 em Olimpíadas. Ela é a maior artilheira do torneio.

O estádio não estava lotado, mas não faltaram gritos de incentivo, a famosa ola e também algumas vaias para as chinesas. Vadão escalou o Brasil com Bárbara; Fabiana, Mônica, Rafaelle e Tamires; Thaisa, Formiga, Andressa Alves e Marta; Cristiane e Beatriz. Foram elas que iniciaram a caminhada rumo ao sonhado e inédito ouro olímpico.

“Nós tínhamos pela frente um adversário muito competitivo, com uma marcação muito rígida, muito forte. Sabíamos que teríamos o fator negativo da ansiedade na estreia dentro do nosso país, com todo mundo olhando pra gente. Em virtude de tudo isso, acho que fizemos uma partida muito boa. Marta não precisou ser sobrecarregada, o conjunto facilitou muito a vitória e é isso que queremos. Queremos a Marta inteira para brilhar na hora que precisar”, analisou o técnico Vadão.

“Esse é o trabalho que a gente vem fazendo, para que todas saibam a responsabilidade que têm e, quando forem exigidas, mostrar o que sabem da melhor maneira possível. A gente vem dando essa confiança, pra que dentro de campo não fiquem procurando uma ou outra. Esse é o nosso melhor, quando todas são exigidas”, disse a capitã da equipe e camisa 10.

O próximo jogo será em 6 de agosto, contra a Suécia, a partir das 22h, também no Estádio Olímpico. As europeias também estrearam com vitória. Bateram a África do Sul por 1 x 0. Na terceira e última partida da fase de grupos, as brasileiras seguem para Manaus, onde enfrentarão a África do Sul no dia 9.

Primeiro tempo

A partida começou intensa. Com menos de dois minutos, Cristiane arriscou de longe. Aos sete, Formiga levou uma pancada em dividida com Pang e caiu no gramado. O atendimento médico entrou, a partida parou e o silêncio tomou conta do estádio, mas foi só um susto: não seria qualquer coisa a tirar Formiga de sua estreia na sexta Olimpíada.

A China, com a marcação adiantada, dificultava a saída de bola brasileira. Aos 14 minutos, Formiga fez bela jogada pela esquerda, Tamires cruzou e Cristiane, de primeira, quase abriu o placar. A torcida se empolgou.

O Brasil persistia em jogadas pelo lado esquerdo, mas foi pela direita que, aos 20, Beatriz bateu na saída da goleira: a bola saiu alta demais. Foi a atacante quem teve uma das melhores chances do primeiro tempo. Ela arrancou pela esquerda, levou para o meio e bateu, mas a zaga afastou, aos 29. A defesa chinesa mantinha-se firme em escanteios recorrentes.

Aos 36 minutos, o primeiro gol. Marta bateu falta, houve confusão na área e Mônica cabeceou. A bola ainda quicou, mas parou no fundo da rede. Cristiane quase ampliou aos 39. Seria um belo gol por cobertura, mas a arbitragem indicou impedimento.  O primeiro tempo ainda reservava um susto: Fabiana tentou recuar de cabeça, sem ter visto a saída da goleira Bárbara. A bola passou rente à trave, mas pelo lado de fora.

Segundo tempo

A China trouxe perigo logo no início, mas Formiga tirou, já dentro da área. Beatriz teve boa chance de pela esquerda e não aproveitou. As chinesas criavam mais oportunidades, o Brasil tentava sair no contra-ataque.

Vadão tirou Thaisa e colocou Andressinha. E foi ela que tocou para Marta dominar como uma jogadora cinco vezes melhor do mundo, invadir a área pela direita e cruzar para Andressa Alves ampliar: 2 x 0, aos 14 minutos.

“Com o faro de atacante, você quer sempre partir pra cima, tentar fazer o gol, finalizar. Ali eu vi que a Andressa estava chegando e eu estava com pouco ângulo. Então é melhor é ir para o certo, e não insistir no incerto”, contou Marta.

“Jogadaça” e Marta são quase sinônimos. Em uma dessas, pelo meio, a camisa 10 driblou meio time da China e quase fez o terceiro, aos 21. A goleira Zhao defendeu bem. Sobraram aplausos. O Brasil cresceu nas arquibancadas e em campo.

Correndo atrás do placar, a camisa 10 adversária, Yang, surgiu com perigo na área brasileira, mas não conseguiu dominar. Faltavam dez minutos. O técnico Vadão colocou Debinha no lugar de Marta. Foi a oportunidade ideal para ovacionar a craque. A torcida aproveitou e fez bela homenagem a Marta.

Poliana ainda teve chance de entrar em campo no lugar de Fabiana. Aos 44, Andressa Alves sofreu falta, longe da área. Andressinha levantou na área e Cristiane deixou o dela, de cabeça. Brasil 3 a 0. A torcida agradeceu com gritos de “Olé”.

“É gostoso, é uma sensação boa saber que as pessoas saíram de casa, trouxeram os familiares e vieram acompanhar o futebol feminino”, disse Cristiane.

Suécia x África do Sul

A edição 2016 dos Jogos Olímpicos começou mais cedo, no Engenhão, às 13h, com outras duas equipes do grupo E: a Suécia venceu a África do Sul por 1 x 0. As europeias jogaram ofensivamente desde o início, forçando as sul-africanas a recuar. Com quatro minutos, a sueca Jakobsson chutou forte e a bola bateu na trave. Na segunda metade do primeiro tempo, a África do Sul saiu mais para o jogo, deixando espaços, mas a Suécia não soube aproveitar os contra-ataques.

Na etapa final, as suecas continuaram controlando a posse de bola e apostando em jogadas laterais e cruzamentos. Em um deles, a goleira Barker saiu mal do gol duas vezes e Fischer aproveitou para fazer o único gol da partida, aos 30 minutos.

Por Carol Delmazo