A readequação das escolas
Sem uma vacina que imunize as pessoas contra o COVID-19 ou um tratamento eficiente, torna-se preocupante falarmos em readequação do calendário escolar, ao invés disso, precisamos falar sobre a readequação do espaço escolar para receber alunos, professores e funcionários.
É de extrema necessidade a colocação de pias para lavagem de mãos na entrada das escolas, com acionamento da torneira e o acesso ao sabão de forma que evitem a contaminação, sendo importante haver nesse local uma área com solução desinfectante para descontaminar os calçados, assim como um servidor para aferir a temperatura de todos que entram na unidade.
É necessário, também, fazer o revezamento entre alunos, com redução de 50% deles na sala de aula e, por consequência, garantir os cuidados de prevenção no transporte escolar, pois  diariamente só a metade dos alunos seria transportada. Além disso, entre um aluno e outro, deve haver uma carteira vazia, cumprindo as normas de distanciamento. O lanche deverá ser servido por turma, evitando aglomeração, principalmente nesse momento em que as máscaras são retiradas.
Medidas como o prolongamento do horário escolar, aulas aos sábados ou o uso do contraturno para aumentar a carga horária só geram mais exposição de todos a um possível contágio e vão de encontro às normas de prevenção contra o COVID-19.
É importante destacar que cada aluno precisa ter um kit com álcool em gel, uma garrafinha de água e duas máscaras.
Essas são algumas adaptações que podem trazer mais segurança à comunidade escolar. É hora de falarmos em preservar vidas! Vamos usar os dias que faltam para o retorno às aulas para nos readaptarmos e readaptar as nossas escolas a essa nova realidade. Melhor perder um ano na vida, que perder a vida em um ano.
Joaquim Sousa Neto