Ismael Araújo/O Estado

Lucas Albo matou a tiros Yago Sik, durante uma festa no Conic, em Brasília, e, no momento está preso na Papuda

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) na sexta-feira, 24, não tinha marcado o julgamento de Lucas Albo de Oliveira, de 22 anos, mas, acolheu o pedido feito pelo Ministério Público do Distrito Federal, para que possa ser julgado pelo júri popular, pelo crime de homicídio triplamente qualificado. Segundo a polícia, Lucas Albo é acusado de ter assassinado a tiros o dj maranhense, Yago Linhares Sik, de 23 anos, no dia 2 de julho deste ano, durante uma festa no Conic, em Brasília. Caso o réu seja condenado pode ter uma pena de 30 anos de prisão.

Ainda segundo o Poder Judiciário do Distrito Federal, Lucas Albo foi declarado como réu e demonstrou periculosidade e ainda teria atingido intensamente a paz social de toda uma comunidade. Também afirmou que esse criminoso é uma ameaça à ordem pública. Lucas Albo foi ouvido pelo Poder Judiciário e confessou o crime, mas, disse que não tinha a intenção de matar a vítima, apenas, dar um susto.

O advogado de acusação, Rodrigo Vicente, explicou que a primeira fase do processo é somente para avaliar se o crime deve ser julgado em um júri popular, mas, afirmou que existem provas irrefutáveis que o réu é culpado desse crime. Há possibilidade dos advogados de Lucas Albo recorrera dessa decisão judicial.

Lucas Albo, além dessa acusação de homicídio, também tem sete passagens policiais depois de adulto (duas por porte de drogas, uma por furto em comércio e outras por disparo de arma de fogo, ameaça, corrupção de menores, porte ilegal e furto de arma). No momento, ele está preso no presídio da Papuda, em Brasília.