Enquanto o governador do Flávio Dino (PCdoB) e do secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela percorre o Estado do Maranhão, fazendo politica e declarando apoio a aliados em vários municípios, a segurança pública de várias delegacias regionais de policia civil, passam por um dos períodos mais conturbado da história.

Com sucessivas greves por conta da categoria, que cobram apenas o básico para exercer suas funções, como: material humano, viaturas, equipamentos e estrutura física; a delegacia de Rosário, vivem um impasse de não poder servir a população, que se trona vítima da criminalidade desenfreada durante sua gestão.

A cena do descaso por parte do Estado foi sentido na pele por vários jovens rosarienses e outros municípios, que tiveram seus direitos violados quando procuraram a delegacia de policia civil para registra um boletim de ocorrência.

Os jovens foram vítimas de um assalto dentro de uma instituição de ensino federal – IFMA, onde foi promovido por pelo menos três indivíduos armados que ameaçaram e roubaram vários pertences e equipamentos.

Os jovens que estavam indignados com o descaso do governador Flávio Dino, gravaram um vídeo chamando a atenção e mostrando que seus direitos como jovens promissores do município e do estado, não foram assegurados.

Uma mensagem nítida e forte que mostra a realidade do governo que em sua propaganda mostra o Maranhão, como uma segurança de ponta; que na realidade não acontece na prática. Veja o vídeo: 

A redação do Portal Diário de Rosário, entrou em contato com a delegacia, através dos investigadores de plantão e foi informado, que algumas vítimas do assalto foram ainda atendidos na noite do assalto, que aconteceu na sexta-feira (16).

Também informou que a delegacia trabalha no sábado e domingo em regime de Urgência e Emergência; podendo assim realizar procedimentos apenas em flagrante, delitos, lesões, homicídio, estupro ou em situação que a policia militar apresente algum suspeito preso.

Foi mencionado durante a rápida entrevista, que os investigadores de plantão não possuíam a senha de acesso ao sistema de registro do boletim de ocorrência; faltando ainda por parte dos policiais civis o conhecimento necessário para realizar o procedimento.

Efetivo

Com apenas dois policiais de plantão e sem equipe de captura na principal delegacia da região fica inviável a realização dos trabalhos a contento a população. Com tanto descaso função passar a oferecer risco a própria integridade do policial, que tem tarefas extras durante sua atividade na delegacia.

Com o baixo efetivo os policiais civil ainda realizam a vigilância de detentos que ficam custodiados durante dias na própria estrutura do prédio.

Para responder pela delegacia de policia civil de Rosário durante o fim de semana, foi destinada e escalada a delegada plantonista Tatiane Porto, que atua no município de Icatú, mas até o final da tarde de sábado a delegada não havia aparecido no recinto.