6po0a1vsoh4vyd49e5swkelqa

Um estudo feito pelo SPC em parceria com a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) em todas as capitais do País mostrou que alguns brasileiros desequilibram seu orçamento mensal por causa do futebol. Gastos excessivos com produtos e serviços relacionados ao esporte foram responsáveis pelo endividamento de dois em cada 10 torcedores por aqui (21,3%) , principalmente entre os 18 e 24 anos de idade (29,7%) e que fazem parte das classes C, D e E (23,1%).

Outra constatação do estudo mostra que são poucos os torcedores brasileiros que fazem um controle adequado quando realizam esse tipo de compra, seja de produto ou serviço relacionado: 58,9% admitem não anotar, controlar ou analisar os gastos relacionados ao futebol. Apenas 20,1% dos que gastam com futebol assumiram ter o hábito de anotar essas despesas, e outros 21,1% fazem ocasionalmente.

Os brasileiros gastam, em média, R$ 255,72 por mês com itens ligados ao futebol. Os “campeões de audiência” são bebidas no estádio (33,8%), camisetas de times (31,9%), ingressos para os jogos (29,5%), aperitivos no estádio (28,%), idas a bares para acompanhar partidas (26,3%), TV paga (25,6%) e pay-per-view (15,9%).

As outras contas

A paixão pelo futebol pode causar prejuízos mais sérios à vida financeira. No estudo, 18,7% dos entervistados admitiram que já deixaram de comprar algo que precisavam por direcionar seus recursos ao futebol. Além disso, 10,1% dos brasileiros já deixaram de pagar alguma conta para comprar ingressos, viajar para assistir partidas do seu time ou adquirir camisas, por exemplo.

As contas básicas mais citadas e que são deixadas de lado foram faturas do cartão de crédito (34,7%), contas de telefone (25,8%), cartões específicos de lojas (22,8%) e contas de luz (19,3%). E mais do que isso. O futebol já deixou um em cada cinco (21,8%) torcedor com o nome inscrito em cadastros de inadimplentes – 9,5% ainda têm o CPF negativado.

Existem os torcedores que abusam do gosto pelo futebol. Quatro em cada dez ouvidos no estudo (43,6%) admitiram que já deixaram de guardar dinheiro por causa de compras relacionadas ao futebol. E 10,5% tiveram até mesmo de vender algum bem material para cobrir esse tipo de despesa, especialmente os mais jovens (17,7%).

Pela TV ou no estádio?

Um outro dado interessante do estudo mostra que apenas 13% dos brasileiros vão ao estádio todos os meses, enquanto outros 30% pagam pay per view para acompanhar jogos. Dessa forma, o local preferido para assistir a maioria das partidas acaba sendo a própria residência, com 83,8%, e a companhia mais citada  é a de familiares (38,8%), amigos (21,9%) ou das namoradas (os) e esposas (os) (14,9%).

As contas básicas mais citadas e que são deixadas de lado foram faturas do cartão de crédito (34,7%), contas de telefone (25,8%), cartões específicos de lojas (22,8%) e contas de luz (19,3%). E mais do que isso. O futebol já deixou um em cada cinco (21,8%) torcedor com o nome inscrito em cadastros de inadimplentes – 9,5% ainda têm o CPF negativado.

Existem os torcedores que abusam do gosto pelo futebol. Quatro em cada dez ouvidos no estudo (43,6%) admitiram que já deixaram de guardar dinheiro por causa de compras relacionadas ao futebol. E 10,5% tiveram até mesmo de vender algum bem material para cobrir esse tipo de despesa, especialmente os mais jovens (17,7%).

Pela TV ou no estádio?

Um outro dado interessante do estudo mostra que apenas 13% dos brasileiros vão ao estádio todos os meses, enquanto outros 30% pagam pay per view para acompanhar jogos. Dessa forma, o local preferido para assistir a maioria das partidas acaba sendo a própria residência, com 83,8%, e a companhia mais citada  é a de familiares (38,8%), amigos (21,9%) ou das namoradas (os) e esposas (os) (14,9%).