x

O nervosismo e o alívio moveram a vitória do Atlético de virada diante do São Paulo por 2 a 1, em pleno Morumbi. A ofensividade alvinegra do primeiro tempo, deu lugar à retranca na etapa final, deixando o Galo com 32 pontos, permanecendo na briga pelo topo da tabela.

Na próxima rodada, o Atlético recebe a Chapecoense às 20h desta segunda-feira, na Arena Independência.

O jogo – Com o duelo das quartas de final da Copa Libertadores ainda na lembrança, torcida e jogadores de Galo e São Paulo deixaram no ar a tensão antes de a bola rolar. Para o lado tricolor, porém, o grito de alívio foi liberado rapidamente.

Em seu primeiro jogo como titular, Andrés Chavez acertou um belo chute de fora da área, pegando Victor desprevenido. O arremate encobriu o goleiro alvinegro e estufou as redes atleticanas.

A ofensividade moldada pelo técnico Marcelo Oliveira foi a resposta do Galo. Para ajudar ainda mais o quarteto ofensivo, os laterais foram liberados para avançar, mesmo que com cautela. Foi a partir dessa ordem que o empate saiu.

Fábio Santos subiu bem pela esquerda e achou Fred na entrada da área rival; o atacante fez bem o pivô e rolou para Maicosuel entrar como uma flecha pela direita e chutar firme aos 10 minutos de jogo.

Se ofensivamente o Atlético ia bem, na defesa alguns ajustes eram necessários. Para acertar isso, a inteligência tática de Fred e Pratto foi colocada à prova. Os dois se alternavam na volta ao setor defensivo, ajudando no combate pelo meio.

E a obediência tática do argentino foi premiada com um gol. Após bonita jogada de Maicosuel, Pratto foi acionado, tentou achar Robinho pela esquerda, mas a redonda sobrou em seus pés; o Urso finalizou firme e encaixou no ângulo da meta de Dênis.

Pratto marcou após três meses de seca – e lesão – frente ao novo técnico da Argentina, Edgardo Bauza, que fez nesta quarta sua despedida do São Paulo.

O placar favorável para o visitante e ofensivo Atlético deixou o jogo mais aberto e apto para emoções dos dois lados. Victor teve de trabalhar pelo menos duas vezes no primeiro tempo, enquanto Dênis levou sustos, mas sem precisar entrar em ação.

O segundo tempo foi o momento para o Atlético se fechar na defesa e buscar os contra-ataques. O técnico Marcelo Oliveira deixou clara essa sua ideia ao sacar Fred para a entrada de Luan e, posteriormente, tirar Maicosuel colocando o volante Lucas Cândido – Otero ainda fez sua estreia.

Enquanto os contra-ataques atleticanos não foram efetivos, a retranca foi movida por sustos e alívio sacramentado pelo apito final do juiz.