A abertura da Vila dos Atletas aos comx1petidores da Olimpíada do Rio neste domingo (24), que deveria ser de festa, se transformou em uma enorme saia-justa. Delegações se recusaram a entrar no local e bancaram por conta própria funcionários para arrumar problemas de encanamento, limpeza e furtos.

A ocasião foi marcada por protestos de alguns dos 206 comitês olímpicos nacionais que vão usar a vila durante os Jogos.

O caso mais grave envolveu a Austrália. A chefe de missão da delegação, Kitty Chiller, afirmou em nota na manhã deste domingo (24) que nenhum atleta australiano vai entrar no alojamento por enquanto.
Segundo ela, o complexo localizado próximo ao Parque Olímpico da Barra contém inúmeros problemas de gás, encanamento e eletricidade.

Os australianos estavam designados para ficar no edifício 23, mas devem se instalar em hotéis nos arredores do Parque Olímpico. “Por mais de uma semana nosso estafe trabalhou, durante muitas horas, para deixar nosso setor pronto para os atletas na vila”, disse a nota. Segundo os australianos, porém, não houve solução.

Chiller lista problemas com banheiros bloqueados, vazamentos, fiação exposta, falta de iluminação e sujeira.
A chefe da missão disse que os oficiais australianos, que já vinham trabalhando na vila há alguns dias, relataram os problemas ao comitê organizador dos Jogos do Rio e ao COI (Comitê Olímpico Internacional). Ela citou que Reino Unido, Nova Zelândia e outros países também tiveram dificuldades.

Chiller disse que foi feito um teste neste sábado (24) com componentes dos apartamentos e houve vazamento e um forte cheiro de gás. Outros testes, como de incêndio e encanamento, serão feitos.
“Há muito trabalho a ser feito na vila e nós apreciamos os esforços do COI e do comitê organizador para resolver os problemas”, concluiu.

Além da Austrália, a seleção feminina de futebol da Suécia suspendeu a entrada na vila. O grupo estava hospedado em um hotel no Rio e entraria na residência oficial dos atletas neste domingo, mas desistiu.

As delegações dos Estados Unidos, Itália e Holanda pagaram por conta própria funcionários temporários que realizaram obras de acabamento em apartamentos da Vila. A equipes contrataram terceirizados para diferentes funções, desde colocação de lâmpadas, a ajustes de encanamento e trabalho de limpeza. Não há informações de qual foi o valor desembolsado pelas delegações com os serviços.

Em visita ao espaço, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), disse que os problemas da instalação serão superados.
“Esta vila é melhor que a [da Olimpíada] de Sydney [em 2000]. É natural que haja ajustes a fazer. Estou quase botando um canguru na frente do prédio deles [Austrália] para ficar pulando e eles se sentirem em casa”, afirmou.

“A vila não está dessa forma toda [que os australianos estão falando]. Os australianos tem sido um dos países mais contundentes no amor ao Rio de Janeiro”, afirmou Paes.

Outras delegações também tiveram de recorrer a improvisos. Delegações de alguns países, incluindo o Brasil, já estão instaladas no local. Israel, Alemanha e Itália foram os primeiros a chegar.

IMPROVISO

Brasil, EUA, Itália e Holanda pagaram por serviços extras de funcionários temporários para ter suas acomodações na vila terminadas a tempo. O presidente do comitê organizador dos Jogos, Carlos Arthur Nuzman, disse que todas as vilas olímpicas tiveram problemas.

“As delegações estão livres para fazer os seus ajustes”, afirmou.Por ser sede dos Jogos Olímpicos do Rio, oficiais da delegação brasileira puderam entrar na vila no início do mês, com mais antecedência do que a abertura oficial neste domingo.

No prédio 30 do complexo, exclusivamente dedicado ao time do Brasil, foram feitos trabalhos de decoração com as cores do país, mas os oficiais também encontraram problemas graves de sujeira, encanamento e acabamento.

Os operários tinham acesso ao empreendimento por meio de passes diários concedidos pelo COB. A delegação brasileira terá quase mil pessoas nos Jogos do Rio, entre os quais 465 atletas. Neste domingo, competidores de nove modalidades tinham entrada prevista na vila.

Bruno Mendonça, defensor da seleção brasileira de hóquei sobre grama, disse que os apartamentos no prédio do Brasil são “fantásticos” e “muito espaçosos”. O jogador brasileiro não sabia dos problemas relatados pelos australianos e disse que “testou tudo” quando chegou e “estava funcionando”.

Diante das obras inacabadas da vila, o comitê Rio-2016 convocou mais de 500 funcionários para trabalharem em uma força-tarefa, durante 24 horas por dia, encabeçada pela entidade e pela Prefeitura do Rio. Eles começam a trabalhar ainda neste domingo.

A previsão é de que todos os problemas sejam resolvidos até no máximo quinta-feira. Neste sábado foi feita uma reunião entre chefes de missão dos países para tomar medidas urgentes, que durou até mais de 23h.

“Mais importante é a força-tarefa que está virando dia e noite para colocar a vila em condições para todas as delegações. É um verdadeiro mutirão”, comentou o chefe da missão brasileira, Bernard Rajzman,

“Foram alguns problemas de construção, vazamentos. Alguns países foram mais impactados do que outros, como Brasil e Austrália. Mas alguns que nem problemas tinham estão reclamando, como Portugal. Esperamos resolver tudo até o meio da semana”, disse Mário Andrada, diretor de comunicação da Rio-16.

FURTO

Além dos problemas de acomodações, o comitê organizador registrou o furto de um laptop de sua equipe neste sábado e pediu reforço da segurança privada nos apartamentos da vila.

“Não tivemos nenhum outro relato de furto. Um laptop do comitê foi furtado. Mandamos reforçar a segurança privada especialmente onde tem muita gente entrando e saindo”, afirmou Andrada. (FolhaPress)