A especialista em monitorameimagento de atividades terroristas Rita Katz divulgou nessa terça-feira (19) novas informações de possíveis ataques durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Em seu Twitter, ela afirmou que aliados do Estado Islâmico no Brasil divulgaram 17 métodos de atentados que poderão ser usados durante os jogos no Brasil.

Katz, que é diretora do Site Intelligence Group, agência antiterrorismo, afirmou que os jihadistas também veicularam as programações dos jogos. O grupo também “convida” todos os “lobos solitários” (terroristas que agem sozinhos, sem ligação com grupos) a virem para o Rio de Janeiro.

De acordo com a especialista, as técnicas para os ataques durante as Olimpíadas incluem alvos em aeroportos e transportes públicos, uso de facas, envenenamentos, tomada de reféns e ameaças falsas.

No último domingo, Katz tuitou que o primeiro grupo extremista brasileiro cadastrado no Telegram (app similar ao WhatsApp), o “Ansar al-Khilafah Brazil”, jurou lealdade ao Estado Islâmico. É nesse grupo que as informações sobre as técnicas que serão supostamente empregadas no Rio estão circulando.

Em junho, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) confirmou que o Estado Islâmico criou seu primeiro canal de divulgação e propaganda em português, também dentro do aplicativo Telegram.

Dúvida – A real existência desse grupo extremista brasileiro, porém, está sendo questionada por outros especialistas em terrorismo. Para a rede norte-americana ABC News, o especialista J. M. Berger declarou não ter tanta certeza sobre isso.

“O canal Ansar al-Khilafah Brazil no Telegram parece ser um trabalho de algum ativista de mídias sociais, em vez de refletir alguma iniciativa de ocupação”, declarou ele, que é autor do livro “Isis: State of Terror” (ou EI: Estado do Terror”, em livre tradução).

O pesquisador John Horgan, da Georgia State University, afirma também não saber se o grupo é real, mas afirmou que os seguidores do Estado Islâmico são “mestres de explorar oportunidades” como as Olimpíadas.

A influência do EI no Brasil parece ser pequena. De acordo com um levantamento da empresa de inteligência Soufan Group, só três pessoas viajaram do Brasil para a Síria e o Iraque para se juntar a algum grupo extremista. Na França, esse número é de aproximadamente 1.700 pessoas. Mesmo assim, as ameaças aos Jogos Olímpicos estão sendo levadas a sério pelos governos de vários países de todo o mundo.

Aeroportos

Passageiros voltaram a enfrentar nessa terça-feira (19) filas enormes e tiveram que remarcar voos nessa terça-feira (19) em Congonhas, em São Paulo, na segunda manhã de caos no aeroporto após a mudança das normas de inspeção. Por volta das 6h, a fila dos raios-X dava três voltas no térreo. Na parte superior, a fila seguia por todo o saguão, circular, até a porta de embarque. O corredor que liga a área de check-in e o saguão de embarque, com lojas em ambos os lados, ficou lotado. (Por Raquel Sodré)