image

São Paulo – Os advogados de Luiza Brunet procuraram o escritório de Luiz Kignel, que representa o empresário Lírio Parisotto, para discutir a separação dos dois.

A informação foi dada nessa sexta-feira (15) pela colunista Mônica Bergamo, da “Folha de S. Paulo”. Segundo ela, a negociação estaria emperrada, pois, segundo Kignel, “eles pediram R$ 100 milhões pelo que seria a formação de patrimônio em uma união estável”.

O advogado afirma que não fez nem fará contraproposta. “Não houve união estável alguma. O que houve foi um namoro com vários rompimentos, inclusive”, afirma.

Kignel e o advogado de Brunet, Pedro Egberto da Fonseca Neto, tiveram três encontros no escritório do representante de Parisotto. “Como nada devemos, nada vamos negociar. Estamos esperando por uma eventual ação dela na Justiça, onde então apresentaremos os fatos”, diz Kignel à “Folha”.

Ainda segundo o jornal, o advogado de Luiza Brunet, que acusa Parisotto de agredi­la, confirma as reuniões. Mas afirma que “não existiu uma conversa nessa profundidade”. Pedro Egberto da Fonseca Neto nega ter falado de valores e diz que discutiram “apenas a existência da união estável”.

Uma eventual disputa na Justiça pode ser uma das maiores do país: Parisotto está entre os 30 empresários mais ricos do Brasil, com fortuna estimada em US$ 1,6 bilhão.

Relembre – Lírio Parisotto é investigado pela Promotoria como suspeito de ter cometido crime de lesão corporal contra a atriz, durante violência doméstica, com base na Lei Maria da Penha. “Após a investigação, o Ministério Público irá decidir se vai oferecer denúncia ou se arquiva o caso”, disse Costa sobre levar ou não à Justiça as acusações de Luiza contra Parisotto.

Mesmo sem ter dado detalhes de quantas agressões a atriz disse ter sofrido durante o relacionamento com Parisotto, o promotor afirmou que o episódio ocorrido no apartamento do empresário em Nova York fez Luiza procurar seus direitos pela primeira vez. “Ela nunca havia registrado queixa contra ele até então”, afirmou Costa. Apesar disso, o advogado orienta a todas as vítimas de violência doméstica a prestar queixa assim que forem agredidas. “Algumas mulheres esperam para denunciar seus agressores”, disse. “Elas devem procurar o quanto antes, e não esperar mais agressões”, conclui.

Segurança

Medida protetiva – Por conta da queixa de violência que a atriz prestou ao MP, a Justiça decretou medidas de proteção para Luiza. O empresário está proibido de se aproximar e de manter contato com ela.

Provas de ‘descontrole emocional’

São Paulo – A defesa do empresário Lírio Parisotto afirmou que vai apresentar documentos ao Ministério Público (MP) em que a atriz assume precisar de auxílio médico por conta de descontrole emocional.

Parisotto prestou seu primeiro depoimento sobre o caso nessa quinta-feira (14), no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo. “Ele disse que o erro dele foi ter efetivamente reatado esse namoro. A verdade é que existem diversos episódios de agressão, inclusive com documentos que nós vamos trazer ao Ministério Público, em que ela própria diz que precisa se controlar e precisa de auxílio médico”, afirmou o advogado do empresário, Celso Vilardi. A defesa do empresário alega que foi Luiza quem o agrediu durante a viagem aos EUA. “Isso já aconteceu várias vezes. Por algum motivo banal, ela perde a calma, se descontrola e o agride”, disse Vilardi.