x

O mapa do turismo do Maranhão mudou. O estado reduziu de 68 para 46 o número de municípios participantes de suas 10 regiões turísticas: Polo São Luís (4); Polo Amazônia Maranhense (3); Polo Chapada das Mesas (5); Polo Cocais (5); Polo Delta das Américas (4); Polo Floresta dos Guarás (7); Polo Lagos e Campos Floridos (7); Polo Lençóis Maranhenses (3); Polo Munin (5); e Polo Serras Guajajara Timbira e Kanela (3).

O levantamento foi divulgado pelo Ministério do Turismo, em Brasília. Em todo o país, foram identificados 2.175 municípios em 291 regiões turísticas.

Para o ministro interino do Turismo, Alberto Alves, este redimensionamento contribui para melhorar a capacidade do Ministério do Turismo de atuar de forma coordenada com os estados, regiões turísticas e municípios, para desenvolver e consolidar novos produtos e destinos turísticos.

“Com um mapa mais enxuto e que retrata de forma mais fiel a oferta turística brasileira, poderemos focar nossos esforços e otimizar nossos resultados”, afirmou.

Para a atualização do mapa, foram realizadas oficinas e reuniões em todas as 27 UFs e a validação do mapa foi feita pelos estados e Distrito Federal em seus respectivos Fóruns ou Conselhos Estaduais do Turismo.

SOBRE O MAPA – O Mapa do Turismo Brasileiro é um instrumento de orientação para a atuação do Ministério do Turismo no desenvolvimento de políticas públicas, tendo como foco a gestão, estruturação e promoção do turismo, de forma regionalizada e descentralizada. Sua construção é feita em conjunto com os órgãos oficiais de Turismo dos estados brasileiros.

CATEGORIZAÇÃO DO NOVO MAPA DO TURISMO – Os 46 municípios do Maranhão presentes no Mapa do Turismo se dividem em 5 categorias, de acordo com a Categorização dos municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro. O instrumento, elaborado pelo MTur, identifica o desempenho da economia do turismo para tornar mais fácil a identificação e apoio a cada um.

Dentro da metodologia, as cidades contempladas nas categorias A, B e C contam com 95% dos empregos formais em meios de hospedagem 87% dos estabelecimentos formais de meios de hospedagem, 93% do fluxo doméstico e têm fluxo internacional. O conjunto de municípios dos grupos D e E, reúnem características de apoio às cidades geradoras de fluxo turístico. Muitas vezes são aquelas que fornecem mão-de-obra ou insumos necessários para atendimento aos turistas.

BOA PRÁTICA – O Tribunal de Contas da União e o Senado Federal reconhecem o Mapa do Turismo Brasileiro como um instrumento de gestão para orientar a gestão no desenvolvimento de políticas públicas regionalizadas e descentralizadas. A atualização constante do documento se torna, portanto, fundamental para que esse instrumento seja eficaz e respeite os princípios de eficiência

Os 22 municípios excluídos são eles: Paço do Lumiar (Polo São Luís); Aldeias Altas (Polo Cocais); Bacuri (Polo Floresta dos Guarás); Arame, Cedral, Fernando Falcão, Formosa da Serra Negra, Itaipava do Grajaú, Serrano do Maranhão e Sítio Novo (Polo Serras Guajajara Timbira e Kanela); Cajari, Lago Verde, Matinha, Pedro do Rosário, Pindaré-Mirim, São Bento, São Vicente Ferrer (Polo Lagos e Campos Floridos); Presidente Juscelino (Polo Munim); Balsas, Porto Franco e São João do Paraíso (Chapada das Mesas); Primeira Cruz (Lençóis Maranhenses); Cândido Mendes, Carutapera, Godofredo Viana, Luís Domingues e Turiaçu (Polo Amazônia Maranhense, que foi extinto).