Para que o vôlei brasileiro cheimagegue com tudo na Olimpíada, nada melhor do que vencer a principal competição antes dos Jogos, tanto no feminino como no masculino. Depois das meninas do técnico José Roberto Guimarães vencerem o Grand Prix, chega a hora dos atletas de Bernardinho igualarem o feito na Liga Mundial para a confiança estar em sua melhor forma durante o maior compromisso da temporada.

Nesta quarta-feira, ás 12h30, o Brasil estreia na fase final da Liga, em Cracóvia, na Polônia, contra a Itália. A sequência, na sexta-feira, reserva embate contra os EUA. Uma vitória nos dois jogos praticamente garante vaga na semifinal.

“Agora só tem adversários do mesmo nível. Sabemos que vamos ter partidas complicadas com a Itália e os Estados Unidos,  mas estamos bem e confiantes no nosso jogo. Título é sempre importante, não importa de qual competição, e a seleção brasileira está buscando sempre ganhar. Esse ano, temos uma Olimpíada em casa, e chegar nos Jogos Olímpicos com o troféu da Liga Mundial traria uma confiança ainda maior para alcançarmos o grande objetivo que é o ouro olímpico”, comenta o levantador William.

O Brasil tem apenas uma derrota em nove jogos disputados até aqui. Na última etapa, na França, foram três vitórias, duas delas sobre os donos da casa e sobre os poloneses, atuais campeões mundiais. Desde o último jogo, no dia 3, o Brasil se concentrou na Bélgica para aprimorar os treinamentos.

“Foi um excelente período. Conseguimos focar nos treinos, recuperar algumas lesões, e treinar algumas alternativas. Tenho certeza de que estamos preparados para essa fase final”, afirma William.

Sem garantias – O aprendizado da última Liga Mundial mostra que um triunfo em dois jogos pode não ser suficiente. Por isso, ir com tudo para cima dos adversários, independentemente da classificação estar próxima, será primordial.

“No ano passado, demos um pouco de azar. Vencemos um jogo e perdemos o outro, e por uma combinação de pontos, ficamos de fora das semifinais. Serve de alerta para que a gente não perca nenhum jogo dessa vez. Uma derrota pode custar muito caro”, recorda William, que sabe do peso que o time carrega nas costas. “Nossa responsabilidade já é enorme. Não tem como aumentar”.

Para a fase final, o Brasil pode ter o desfalque do ponta Lucarelli, que sofre com dores lombares. Maurício Borges e Douglas Souza podem formar a dupla na entrada de rede, já que Lipe também se recupera de lesão e Murilo ainda não está na sua melhor forma.

No outro grupo, estão Polônia, que joga em casa, França e Sérvia, seleção responsável pela única derrota verde-amarela. As semifinais acontecem no sábado e a decisão no domingo.