A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Maranhão voltou a exonerar funcionários fantasmas da folha de pagamento de pessoal. O ato de enxugamento acontece em razão da Justiça determinar a divulgação dos nomes de todos os deputados estaduais e servidores da Casa, seguindo de vencimento bruto e lotação.

Após passarem mais de um ano recebendo salários sem precisar pisar no local de trabalho, entre alguns nomes que ainda estão sendo levantados pelo, foram exoneradas dos cargos duas ex-deputadas estaduais: Graciete de Maria Trabulsi Lisboa (PSL) e Priscylla Bonifácio de Oliveira Sá (PEN). As exonerações foram publicadas no Diário Eletrônico da AL-MA, nas edições da última quinta-feira 30 e dessa terça-feira 5, com validade a partir do dia 1º deste mês.

Ambas concorreram ao parlamento estadual em 2014, mas a derrota nas urnas não bastou para impedir que continuassem a ser bancadas pelo Poder Legislativo estadual. Elas recebiam R$ 4.961,21 (quatro mil, novecentos e sessenta e um reais e vinte e um centavos) por mês, cada, como fantasmas da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Graciete Trabulsi, que tem feudo eleitoral no município de Bacabal, estava nomeada no cargo em comissão DANS-1 de Coordenador Parlamentar, no Quadro de Pessoal da Casa. Ela é esposa do ex-prefeito de Bacabal, Raimundo Nonato Lisboa, preso recentemente pela Polícia Civil do Maranhão em operação de combate à agiotagem e corrupção no Maranhão.

A mesma sinecura — cargo em comissão DANS-1 de Coordenador Parlamentar, no Quadro de Pessoal da AL-MA — também foi dada à Priscylla Sá, que tem feudo eleitoral no município de Presidente Dutra. Priscylla é filha do fazendeiro e empresário do ramo de postos de combustíveis, Fernando Sá; e afilhada e amiga muito próxima do dono do Sistema Mirante de Comunicação, Fernando Sarney.

Embora tenha sido exoneradas para escapar do recadastramento que será feito de todos os servidores da AL-MA, as ex-deputadas serão acionadas na Justiça para que devolvam o dinheiro público embolsado de forma ilícita.

O ATUAL7 apura a informação de que todos os fantasmas que estão sendo os exonerados, segundo comenta-se nos bastidores da Assembleia Legislativa, estariam recebendo agora por meio de uma prestadora de serviços da Casa.

Há suspeitas de que mais de 30% dos mais de dois mil servidores lotadas na AL-MA sejam fantasmas.