No último domingo (10), um médico, que também é capitão da Polícia Militar, foi denunciado como principal suspeito de ter estuprado uma técnica de enfermagem dentro do hospital Genésio Rêgo, no bairro Vila Palmeira, em São Luís.

Segundo informações, a enfermeira teria buscado a Casa da Mulher Brasileira após ter sofrido violência durante o plantão de sábado. Na delegacia, ela relatou que estava na sala de descanso dentro do Centro de Saúde quando, por volta das 1h da manhã, acordou sem a parte debaixo da roupa e com o médico em cima dela.

De acordo com a Delegada Especial da Mulher, Kazumi Tanaka, ainda na madrugada do domingo a vítima procurou a delegacia especializada para registrar o Boletim de Ocorrência. A delegada ainda destacou que após o estupro ser consumado, a profissional de saúde relatou a um colega o corrido e muito fragilizada emocionalmente, deixou o hospital em direção a delegacia.

Horas depois o médico foi preso em flagrante e conduzido ao presídio do “Manelão”, que fica dentro do Comando-Geral da Polícia Militar do MA, mas após audiência de custódia ele foi liberado pela Justiça e recebeu liberdade provisória concedida pela justiça. Além disso, a vítima e o médico passaram por exames no Instituto Médico Legal – para confirmação se de fato houve a violência física ou conjunção carnal.

Através de nota a Secretaria de Segurança Pública (SSP), informou que as medidas legais foram adotadas, inclusive com a autuação em flagrante do oficial.

Confira a nota da PM 

O Comando da Polícia Militar do Maranhão por meio da Assessoria de Comunicação da corporação informa que teria tomado conhecimento do fato sobre a acusação de envolvimento do oficial da PM em crime de estupro simples, ocorrido nesse domingo em um hospital público de São Luis; contra uma funcionária daquela unidade de saúde. O comando da PMMA informa que todas as medidas foram tomadas por meio da autuação em flagrante do oficial. As medidas legais foram adotadas, inclusive com a autuação em flagrante do oficial acusado, entretanto, na audiência de custódia, ele fora liberado pela Justiça e recebeu liberdade provisória concedida pela justiça. 

O Comando da PMMA ratifica que repudia veementemente qualquer atitude ou ação dessa natureza e que esse tipo de comportamento não se coaduna com os princípios e valores que norteiam a formação dos policiais militares que integram esta secular instituição Policia Militar que há 184 anos garante a segurança e preservação da ordem pública em todo o Estado do Maranhão.

Através de nota a Secretaria de Estado da Saúde (SES) declarou que repudia veementemente qualquer forma de violência, sobretudo, na rede de saúde estadual.

Confira nota da SES

Secretaria de Estado da Saúde (SES) repudia veementemente qualquer forma de violência, sobretudo, na rede de saúde estadual. Deste modo, o médico foi imediatamente afastado de suas atividades e o caso está sendo conduzido pelas autoridades competentes. 

Desde o momento da denúncia, a direção da unidade hospitalar deu toda assistência à vítima, bem como colocou à disposição apoio psicológico para acompanhamento da profissional de saúde.