O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou, nesta quarta-feira (15), o novo marco legal do saneamento básico. Bolsonaro, entretanto, fez 11 vetos ao projeto aprovado pelo Congresso.

A nova lei tem o objetivo de aumentar a participação do setor privado na área. Atualmente, os serviços no setor de saneamento básico no país são feitos, na grande maioria, por empresas públicas estaduais. O objetivo da nova lei é aumentar a concorrência.

O texto aprovado pelo congresso e sancionado por Bolsonaro tem como objetivo final universalizar o saneamento e o fornecimento de água para a população. A estimativa é de que até 2033, 90% da população tenha coleta de esgoto e 99% tenha água potável.

Segundo Paulo Guedes, a nova lei deverá trazer mais de “R$ 700 bilhões em investimentos” e gerar, “em média, 700 mil empregos no país” nos próximos 14 anos.