Vítima de assédio sexual e perseguição a policial militar Tatiane Alves de Lima, postou um vídeo nas redes sociais onde desabafa falando das perseguições e assédio que teria sofrido quando trabalhava no 3° Batalhão da Polícia Militar do Estado do Maranhão na cidade de Imperatriz.
Psicologicamente abalado, no vídeo a policial solicita a sua exonerada do cargo por não apresentar condições de continuar na instituição. Tatiane afirma que por não ceder as investidas sexuais dos seus superiores foi afastada do policiamento motorizado e ainda acabou sendo presa por duas vezes.

Violência contra mulheres 

Em 2017 o coronel Marco Antônio Terra foi acusado de ter agredido dentro do quartel uma policial militar com quem mantinha um relacionamento. Embora grande parte da violência sofrida tenha sido documentada por câmeras de segurança nas proximidades do quartel o acusado nunca foi punido pela prática do crime. A policial até hoje passa por tratamentos psicológicos e também disse que passou a ser vítima de perseguições dentro da corporação.  Existem muitos casos relatados por policiais femininas que por medo de represálias acabam não denunciando os seus agressores.
O deputado estadual Wellington do Curso oficializou no comando geral da Polícia Militar do Maranhão, denunciou o assédio sexual e abuso de autoridade feita pela PM Tatiane, lotada no 3° BPM – Imperatriz.
Assista o vídeos: