Morreu nesta terça-feira (29), Genival Inácio Lula da Silva, irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, aos 79 anos de idade. “Vavá”, como era conhecido, lutava contra um câncer desde 2018 e estava internado em São Paulo.
Presidente do PT, Gleisi Hoffmann lamentou a morte do irmão de Lula no Twitter e afirmou que espera que a Justiça libere o ex-presidente para comparecer ao velório de Vavá.
“Lula tinha em Vavá uma figura paterna. Nossos sentimentos à família. Abraço afetuoso e de força a Lula. Esperamos que ele possa ver Vavá pela última vez”, disse Gleisi.
De acordo com a legislação, a permissão para deixar a prisão deve ser dada pelo diretor do local onde o preso é mantido. O ex-presidente está detido provisoriamente na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR).
Especialistas jurídicos acreditam que a defesa de Lula pode citar o artigo 120 da Lei de Execução Penal (LEP). Nela, afirma-se que “os condenados que cumprem pena em regime fechado ou semiaberto e os presos provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, quando ocorrer um dos seguintes fatos: falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão”.