O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, confirmou nesta 2ª feira (26.nov.2018) os nomes de 2 delegados da PF (Polícia Federal) para sua equipe: Fabiano Bordignon chefiará o Depen (Departamento Penitenciário Nacional) e Rosalvo Ferreira Franco, a Secretaria de Operações Policiais Integradas.
Ex-superintendente da Polícia Federal em Curitiba, Franco chefiará uma secretaria que ainda será criada.
“A ideia da secretaria é poder coordenar operações policiais no nível nacional. Hoje, temos muito grupos criminosos que transcendem as froteitas estaduais. Essa ação precisa muitas vezes de uma coordenação nacional”, disse Moro em entrevista à imprensa, no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), em Brasília.
Sobre a nomeação de Bordignon para o Depen, Moro admitiu não ter atendido o pedido da categoria pela nomeação de 1 agente penitenciário.
“Sei que existia uma reivindicação de que esse cargo fosse ocupado por 1 agente penitenciário, mas os agentes penitenciários terão 1 papel importante dentro dessa reorganização do sistema penitenciário nacional“, disse.
O paranaense afirmou ainda ser “preciso construir mais presídios em tempo mais curto“.
QUEM É FABIANO BORDIGNON
Fabiano Bordignon é formado em direito pela PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e pós-graduado em Direito Penal e Criminologia e Política Criminal do Paraná pela UFPR (Universidade Federal do Paraná).
Desde 2002 é delegado da Polícia Federal. Atualmente, chefia a PF na cidade de Foz do Iguaçu (PR).
QUEM É ROSALVO FRANCO
Rosalvo Ferreira Franco foi superintendente da PF no Paraná entre 2013 e 2017. Ele comandou a PF durante o início da Operação Lava Jato, em 2014. Foi substituído em dezembro de 2017 por Maurício Valeixo, que será o diretor-geral da Polícia Federal.
Ele tem 33 anos de experiência na Polícia. Com ele e Bordignon indicados, já são 4 os ligados à Lava Jato anunciados por Sérgio Moro para sua equipe.
Também foram nomeados a delegada Erika Marena, que comandará a DRCI (Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica), e Maurício Valeixo, que foi superintendente da PF no Paraná e será diretor-geral da PF.