image

Mentor da Universidade King Saud, o clérigo, xeque e professor Mohammed Alarefe pediu à Fifa que jogadores sejam proibidos de fazerem o sinal da cruz durante as partidas por considerar um desrespeito ao islamismo e também a outras crenças não cristãs.

O pedido foi feito pelo clérigo por meio das redes sociais e, devido à sua grande influência no mundo árabe, tornou-se viral.  “Vi vídeos de atletas, jogadores de futebol correndo, chutando, e quando goleiam, fazendo o sinal da cruz no peito. Pergunto-me se as regras da FIFA não deveriam proibir isso”, escreveu Mohammed.

A publicação do clérigo dividiu opiniões e muitos internautas relembraram o gesto de jogadores muçulmanos que comemoram seus gols e vitórias ajoelhados.  “Os muçulmanos se ajoelham para celebrar a vitória… onde está o problema?”, escreveu.

A religião é um assunto bastante sensível no mundo futebolístico. A Fifa já havia proibido manifestações religiosas dos jogadores, inclusive com mensagens como a exibida por Neymar na conquista do ouro nos Jogos Olímpicos, quando o craque apareceu com uma faixa com os dizeres ‘100% Jesus’.

Neste ano, o Real Madrid retirou de seu escudo a cruz, facilitando assim a venda de seus uniformes nos países do Golfo.