O coordenador da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão,e subprocurador-geral da República, Nicolao Dino, apresenta propostas do Ministério Público Federal para o Combate à Corrupção (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Marcelo Camargo/Agência Brasil

O vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino – irmão do governador do Maranhão, Flávio Dino, solicitou a cassação da chapa Dilma-Temer, em 2014. O procurador passa a defender que Temer seja afastado do cargo de presidente e Dilma se torne inelegível por oito anos, conforme legislação vigente.

O parecer de Dino vem após a interrupção do julgamento da cassação da chapa no TSE. A suspensão ocorreu após o ministro, Herman Benjamin, ter acatado a inclusão dos depoimentos dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura e do ex-ministro Guido Mantega. O tema deverá voltar à pauta do tribunal até o próximo mês.

O parecer de Nicolao favorável à inclusão de Temer no pedido de cassação é uma clara mudança de postura do irmão do governador do estado. Ele, não muito tempo atrás dizia que “não havia elementos nos autos que liguem” o presidente “aos fatos narrados pelos executivos da Odebrecht, referentes ao financiamento ilícito da campanha”.

Além de isentar Temer, à época, de qualquer acusação, Nicolao foi mais além e declarou que “ainda não havia encontrado quaisquer indícios de que Temer tenha tido conhecimento da prática de qualquer ilicitude”.

Das duas, uma. Ou Temer é um vice decorativo e “injustiçado” por membros da corte eleitoral, ou ele “quase enganou” a todos. (Por Gilbert Léda)