fuga-2

Um homem apontado como um dos líderes de uma facção criminosa que atua na Bahia, e que estava preso há um dia, foi quem planejou a fuga em massa, na noite de sexta-feira (13), de 21 detentos da carceragem da 4ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Coorpin) de Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo da Bahia, segundo informações passadas neste sábado (14) ao G1 pela Polícia Civil do município.

O suspeito, Danilo Santana de Jesus, que foi preso na quinta-feira (12), no bairro São Benedito, com um moto roubada, e parte dos demais detentos que conseguiram escapar seriam da mesma facção que os 17 presos que também fugiram da Cadeia Pública localizada no Complexo Penitenciário de Mata Escura, em Salvador, na madrugada do mesmo dia. Em menos de 24 horas, as duas cidades registraram, portanto, a fuga de 38 presos. Até agora, somente seis – que estavam na delegacia de Santo Antônio de Jesus – foram recapturados.

De acordo com o delegado Edilson Magalhães, titular da Coordenadoria de Santo Antônio de Jesus, a polícia suspeitou que alguma ação poderia ocorrer na cadeia após a prisão de Danilo e pediu que o policiamento fosse reforçado na cidade, mas mesmo assim a fuga não foi evitada.

“Ele é o líder da facção aqui na cidade e um dos ‘cabeças’ do grupo na Bahia. Quando ele foi preso, a gente até imaginou que algo pudesse acontecer, que os colegas dele pudessem tentar resgatá-lo, e pedimos reforço da polícia. Não foi levado direto para o presídio por falta de espaço e, para surgir uma vaga, demora no mímino dez dias. Então, ele foi deixado aqui mesmo e promoveu a fuga. Alguns dos outros que fugiram também fazem parte da mesma facção”, afirmou.

Conforme o delegado, os policiais militares deslocados para reforçar a segurança na cidade após a prisão do traficante ficaram a noite fazendo rodas na cidade, e os presos fugiram exatamente no momento em que os agentes se distanciaram das imediações da unidade policial.

“Eles ficavam por aqui nas imediações da delegacia e também fazendo rondas em outros locais da cidade, porque havia essa possibildiade de algum grupo tentar entrar na cidade para resgatar o preso. Eles [os fugitivos] tiveram sorte na hora da fuga, porque os policiais estavam em outro ponto da cidade”, destacou.

A fuga ocorreu por volta das 23h30, quando um grupo de detentos conseguiu quebrar uma barra de ferro de uma das celas. Em seguida, eles utilizaram a mesma barra para quebrar os cadeados de outras celas e liberar outros detentos. Após isso, a Polícia Militar informou que o grupo utilizou cordas feitas com lençóis para pular o muro da carceragem. Os nomes dos detentos que fugiram não foram divulgados, mas a polícia disse que a maioria responde por tráfico de drogas, homicídios e roubos. Ainda segundo a polícia, os detentos são de média e alta periculosidade.

A polícia informou que um delegado plantonista, um escrivão e dois agentes de polícia estavam na unidade policial, mas não perceberam a fuga, porque os presos escaparam pelos fundos. Na ação, não houve feridos. O delegado Edilson Magalhães também admitiu que a carceragem estava superlotada. “Só tem capacidade para seis pessoas, mas tinham 21 e todos fugiram. Não tinha para onde mandar esses presos, porque não há vagas no presídio. A gente sempre fica tentando mandar eles para o presídio, mas nunca consegue. E, nesse caso, o que a gente pode fazer? Vai soltar o preso perigoso?”, disse.

A assessoria da Polícia Civil informou que a maioria dos fugitivos já estava sentenciada e estava aguardando vaga em presídio. Outros que conseguiram escapar aguardavam audiências de custódia. O delegado afirmou que faltam vagas no presídio de Valença, no sul da Bahia, para onde são levados os criminosos presos em Santo Antônio de Jesus. O conjunto Penal de Valença, administrado pela Secretaria de Administração Penitenciária da Bahia (Seap),  tem capacidade para 268 presos, mas abriga atualmente 546.

Outra fuga

Em Salvador, uma fuga de presos ocorreu na madrugada de sexta-feira (13), no Complexo Penitenciário de Mata Escura, em Salvador. Ao todo, 17 detentos fugiram após serrarem as grades de uma das celas da unidade prisional, segundo informou a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado da Bahia (SEAP).

A fuga só foi detectada pela manhã, quando os agentes penitenciários da unidade perceberam os danos na cela. A unidade prisional tem capacidade para comportar 880 presos, mas, durante a fuga, estava com 1227 detentos.

Segundo informou o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb-BA), todos os 17 presos que fugiram são de uma mesma facção criminosa que nasceu em 2015 entre os pavilhões do presídio da capital e se espalhou pelo estado da Bahia

Após a fuga em massa, o governador da Bahia, Rui Costa, determinou ao secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte, a exoneração do diretor da Cadeia Pública, o capitão da PM Pablo Fagner Araújo Carvalho, e do diretor adjunto da unidade prisional, Paulo Cesar Gonçalves Sacramento.

Um dos que escaparam, conforme o Sindicato dos Agentes Penitenciários, foi Ricardo Martins Batista, 33 anos, suspeito de ter matado o delegado Luís Carlos Ribeiro Couto, 59 anos, no dia 2 de abril deste ano em Lauro de Freitas, na região metropolitana da capital baiana. Ricardo foi preso em maio de 2016. A Seap, no entanto, não divulgou nome dos fugitivos e nem confirmou se Ricardo está entre eles.

O Sindicato dos Agentes Penitenciários atribuiu a fuga à superlotação da unidade carcerária e à falta de segurança do local. Em nota, a entidade afirmou que o complexo tem número maior que o indicado de presos por cela, que faltam câmeras de vigilância, iluminação nas guaritas e vigilância da polícia nas imediações e nas guarita da unidade.

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap) informou que, por meio da Corregedoria, abriu uma sindicância para investigar os procedimentos de segurança da cadeia e as circunstâncias da fuga. A Cadeia Pública de Salvador foi inaugurada em maio de 2010 e, segundo a Seap, foi a primeira fuga registrada desde então.

Sobre a superlotação em unidades prisionais da Bahia, a Seap informou que tem buscado resolver os problemas de forma que ainda no primeiro semestre desse ano disponibilizará mais 2.269 vagas com o funcionamento dos novos presídios de Barreiras, Irecê, Salvador e Brumado. Segundo o órgão, com exceção da unidade de Brumado, que está em fase de conclusão, os outros conjuntos penais já estão prontos e estão sendo objeto de licitação com publicação do edital, marcada para os próximos dias 16, 17 e 18 de janeiro. Ainda de acordo com a Seap, a população carcerária baiana totaliza 13.766 internos para 10.319 vagas. As novas unidades, conforme o órgão, devem esgotar o deficit de vagas na Bahia. (Do G1)

Leave A Reply