As declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-MA) sobre o AI-5 devem colá-lo nas mãos de um dos maiores aliados do governador Flávio Dino na Câmara Federal. Juscelino Filho (DEM-MA), presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, faz parte da base comunista no Maranhão.
A influência de Flávio Dino no Democratas do Maranhão é tamanha que o partido ocupa vários cargos na administração pública estadual, incluindo secretarias e autarquias.
Com a ascensão de Juscelino Filho na legenda, o partido abandonou alianças históricas no Maranhão com MDB e PSDB para integrar a coligação comunista nas eleições de 2018. Vale ressaltar que a ex-governadora Roseana Sarney figurou entre as estrelas nacionais da legenda quando ela ainda era o PFL. Situação que ficou no passado.

Antevendo a influência comunista no caso envolvendo Eduardo Bolsonaro e o AI-5, já se antecipou e tratou de dar gravidade ao caso. “Graves, muito impactantes e contrárias à nossa Constituição”, disse Juscelino.
O parlamentar aliado do governador Flávio Dino também tratou de minimizar a tese de imunidade parlamentar, “Existe uma coisa chamada imunidade parlamentar, existe uma coisa chamada direito à fala, à expressão e à opinião, mas também existe um limite quanto a isso”.
Mesmo que nenhum pedido de cassação tenha sido formalmente protocolado, Juscelino já afirmou que na semana que vem o caso será apreciado. Atitude que deixa escancarada a intenção de Juscelino em prosseguir com o processo e fritar o filho do presidente. Permitir que um aliado completamente submisso a Flávio Dino, um dos maiores inimigos da direita brasileira e do presidente Jair Bolsonaro, comandasse o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, apenas revela a falta de experiência política do governo.