Domingo é dia de relaxar e aproveitar as belezas naturais que tem pelo Maranhão. Na região dos Lençóis, no município de Primeira Cruz, o povoado Cassó vem sendo explorado cada vez mais por turistas e pelos próprios maranhenses, já que abriga uma bela lagoa calma e de águas transparentes convidativas para um banho e curtição.
O cartão postal perfeito para o turismo agora também vai contar com uma feira da agricultura familiar, que teve a primeira edição realizada neste domingo (9), na principal rua do povoado, bem próxima à lagoa. A feira é uma realização do Governo do Estado, por meio do Sistema da Agricultura Familiar (Agerp, Iterma e SAF) e conta com parceria da Prefeitura e STTR de Primeira Cruz.
Dezoito agricultores familiares que são beneficiários do Plano Mais IDH comercializaram sua produção, como seu Valdinei Araújo, que aos 55 anos de idade vive numa área que pertenceu aos seus bisavós e é nesta terra que ele e sua família tiram o sustento.
À beira do lago, o agricultor Valdinei produz na sua propriedade hortaliças, leguminosas, farinha de mandioca, cria animais como suínos, aves caipiras e peixes no tanque. Com o apoio dos técnicos do Plano Mais IDH, a produtividade melhorou e, hoje, a família de Valdinei é cadastrada para fornecer alimentos aos Programas Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e Aquisição de Alimentos (PAA). Isso é resultado da força de vontade e do trabalho técnico que vem sendo realizado na comunidade.
“Estamos vendo um desempenho do Governo do Maranhão pela primeira vez aqui no município de Primeira Cruz. Só me resta agradecer ao governador Flávio Dino porque a gente foi um dos contemplados para o Mais IDH. A gente vivia esquecido e ele foi o primeiro governador a olhar para o pequeno agricultor”, disse seu Valdinei.
O secretário de Estado da Agricultura Familiar, Júlio César Mendonça, afirmou que a agricultura familiar é um importante pilar para a economia do Estado. “Nós somos orientados pelo governador Flávio Dino a apoiar essa atividade e dar condições para que o agricultor possa produzir e comercializar. Nós ajudamos essas famílias com fomento, assistência técnica, e agora estamos inserindo-as nos canais de comercialização”, pontuou.
A primeira edição da Feirinha, gerou renda de R$ 2.109,00 aos beneficiários e que já estão animados para a próxima feirinha. Foram vendidas hortaliças, frutas e verduras, aves (galinha e pato) artesanato e culinária (bolos variados, beijú, café). A agricultora familiar e beneficiária do Mais IDH, Dilma Silva Santos, aprovou a iniciativa da feirinha no povoado. “Achei uma coisa muito boa porque aqui não tinha. É um incentivo para quem não tem salário, como eu, que sou agricultora e não tenho renda fixa. Quero que nosso governador incentive cada vez mais a agricultura familiar, pois estamos precisando desse apoio”, destacou Dilma.
Para o agricultor José Rodrigues, “o Plano Mais é muito importante, pois antes do apoio dos técnicos a produção era menor e melhorou muito, pois eles incentivam os produtores.”
Realizada em pleno domingo, a feirinha atraiu moradores do povoado e também empresários do ramo hoteleiro local. A feira, além de ser um canal de comercialização para os beneficiários, irá atrair turistas que aproveitam a beleza da lagoa a consumir alimentos saudáveis. O empresário Jorgivan Ferreira contou que “a feirinha é de suma importância, pois a gente como empresário devido às dificuldades de acesso ao povoado, faz com que a gente compre os gêneros alimentícios aqui mesmo na feirinha, e isso incentiva os agricultores locais a venderem produtos de qualidade e à preços acessíveis.”
Envie sua informação ao Portal MA+ no — WhatsApp 98434-6482