Izaura Garcia de Carvalho Mendes, de 65 anos, foi à delegacia com duas advogadas e um suposto registro de sua obra na Biblioteca Nacional. Ela acusava o padre Marcelo Rossi de plágio envolvendo o livro “Ágape”. O documento era falso. E, além de não receber nada, ela e as advogadas Carolina Araújo Braga Miraglia de Andrade e Mariana Farias Sauwen de Almeida tiveram a prisão decretada.
As três devem responder por formação de quadrilha, denunciação caluniosa e estelionato. As informações são do Fantástico.
“O livro que ela afirma ter sido plagiado pelo padre não existe. É uma fraude”, resume o delegado Maurício Demétrio, titular da Delegacia de Combate à Pirataria no Rio.
Portal MA+ no Facebook — Instagran  — Twitter WhatsApp 98434-6482