Após divulgar um vídeo no qual é xingado e ameaçado diante do incêndio em um posto de combustíveis no Ceará, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender mudanças na lei para dar retaguarda jurídica a agentes de segurança. Ainda na campanha eleitoral, Bolsonaro defendeu o chamado “excludente de ilicitude” para evitar punição a policiais que, eventualmente, se envolvam em confrontos.
No vídeo divulgado por Bolsonaro em rede social, aparece um posto de combustíveis sendo incendiado e a voz de um homem afirmando que, se Bolsonaro continuar “oprimindo os irmãos”, “o fogo vai pegar na Caucaia”, em referência ao município da região metropolitana de Fortaleza.
O presidente classificou como “urgente” mudar a legislação com participação dos três Poderes e da imprensa. Ele destacou que fazia a defesa não porque estava sendo citado por um “marginal”, mas para mostrar de que lado estão Executivo, Legislativo e Judiciário.
“Sabem exatamente o que fazem e porquê! Combatê-los é simples e rápido, mas requer que os Poderes permitam mecanismos para realmente defender a população! Sozinho fazemos nossa parte, contudo é necessário ações para que os agentes de segurança possam dar a efetiva resposta”, escreveu Bolsonaro, em resposta a um internauta que falou sobre “bandidagem”.
Veja:

Bandido ameaça presidente Jair Bolsonaro durante ataque no Ceará

Bandido ameaça presidente Jair Bolsonaro durante ataque no Cearáhttp://ma-mais.com.br/index.php/2019/01/11/bandido-ameaca-bolsonaro-durante-ataque-no-ceara-presidente-respondeu/

Publicado por MA+ em Sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Na mesma rede social, Bolsonaro cumprimentou outro internauta que defendeu respaldo jurídico para agentes de segurança pública “atirar e matar esses vermes de nossa sociedade”. A resposta ao comentário foi um “bom dia” e um ícone de positivo com o polegar – ou “joinha”, como a imagem é chamada nas redes sociais.