Palmeiras e Vitória entraram em campo, na Allianz Arena, na tarde deste domingo (2), com seus destinos definidos. De um lado, o Verdão, consagrado campeão, estava voltado apenas em comemorar com a torcida. De outro, o Leão, já rebaixado à Série B, querendo evitar mais um resultado negativo.
Diante de muita festa da torcida, quem se deu melhor foi mesmo o anfitrião. Com quebra de recorde de público do estádio alviverde, com 41.256 presentes, os paulistas comemoraram o decacampeonato com placar em vantagem: 3×2.
Edu Dracena e Gustavo Scarpa fizeram os dois primeiros gols, Yago, de pênalti, e Luan empataram para o Leão, mas Bruno Henrique selou a conquista. A penalidade, inclusive, surgiu de um erro do árbitro Heber Roberto Lopes.
Com o resultado, o Palmeiras chegou a 80 pontos, igualando a campanha de 2016, no seu eneacampeonato com Cuca. Já o rubronegro ficou com 37 pontos, na penúltima colocação.
O jogo
O primeiro tempo já dava o tom do jogo. Palmeiras, com posse de bola muito maior – aos 8 minutos, tinha 69% do tempo dominando -, seguia trocando bem os passes. Aos 6, Gustavo Scarpa teve uma linda chance de abrir o placar, quando recebeu de Dudu. A redonda, porém, subiu demais e saiu pela linah de fundo.
Três minutos depois, Scarpa levantou a bola para o meio da área, seguido de um corte feito pela defesa do Vitória. A bola chegou a pegar na mão de Bruno Bispo, mas o árbitro Heber Roberto Lopes – corretamente – mandou seguir. Aos 14, o Leão teve uma linda chance com Yago, que chutou de longe, mas viu a bola passar perto da trave esquerda do goleiro Weverton.
Sofrendo muita pressão do Verdão, os rubro-negros, por pouco, não viram o que seria um golaço do rival. Felipe Melo lançou Mayke, que driblou e mandou para Borja. Só que a bola foi por cima do gol.
Na sequência, foi a vez do Vitória perder uma linda chance, mas Mayke cortou e salvou. Léo Gomes também tentou fazer o seu, dando um belo drible em Lucas Lima e arriscando de longe, mas sem direção. O Palmeiras continuou pressionando, ganhando escanteios. Já o Leão seguia tentando abrir o placar nos contra-ataques, mas, em meio a forte marcação do rival, era bloqueado.
Aos 42 minutos, veio o que parecia mesmo inevitável: o gol do campeão. Bruno Henrique chutou da entrada da área, a bola explodiu na defesa rubro-negra. Dudu pegou a sobra, cruzou na medida Edu Dracena cabecear forte para abrir o placar. Foi o segundo gol marcado pelo jogador, que renovou o contrato com a equipe paulistana para 2019.
Na volta para o segundo tempo, o Palmeiras retornou como acabou a etapa inicial: pressionando. Deyverson, que entrou no lugar de Borja, já tentava cabecear logo no primeiro minuto, mas sem perigo. O Vitória respondeu com Luan, que bateu colocado, mas jogou a bola para fora.
Em seguida, o Verdão quase marcou o segungo com Dudu. Mas, se o jogador não conseguiu fazer o dele ali, ajudou a ampliar o placar logo em seguida, aos 11 minutos. Em cobrança de falta ensaiada, tocou para Scarpa, que chutou forte e contou com desvio: 2×0.
Gustavo Scarpa, de novo, por pouco não fez o terceiro, quatro minutos depois. Lucas Lima recebeu na área e tocou para o meia, que chegou em velocidade. A bola raspou na trave direita, mas saiu em tiro de meta.
O Leão, porém, não ia se despedir do Brasileirão 2018 sem luta. E contou com uma ajudinha do árbitro para marcar seu primeiro gol. Yago sofreu falta de Antônio Carlos, porém, fora da grande área. Ainda assim, Heber Roberto Lopes deu o pênalti, que o rubro-negro converteu, aos 25 da segunda etapa.
Dois minutos depois, veio o empate. Luan ganhou na entrada da área, girou e chutou forte, anotando um lindo gol. O visitante puxou um novo contra-ataque aos 32, mas Lucas Lima recuperou para o Palmeiras.
O Verdão tentou voltar a ficar na frente do placar aos 41, quando Mayke avançou pelo lado direito e bateu forte, mas João Gabriel defendeu. Na sequência, mais uma chance. Lucas Lima chutou em cima de Lucas Ribeiro e a bola sobrou para Deyverson, mas ele não conseguiu dominar.
A gol da vitória aconteceu aos 44, quando Palmeiras puxou um rápido contra-ataque e Guerra tocou para Bruno Henrique. O capitão chutou de primeira e deixou o campeão com a conquista selada. Para o Vitória, resta se planejar melhor em 2019 para conseguir voltar à elite no ano seguinte.